Literando Vivamus  - santos.mauro@yahoo.com.br
Em cada canto um conto em cada conto um encanto da poesia o seu manto.
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos ÁudiosÁudios E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda PrêmiosPrêmios Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos


TÃO APENAS SAUDADE...

Sempre que penso, ou melhor, sinto a Saudade,
Lembro-me de Rubem Alves e seus ídolos literários,
Um deles que sempre citava era o poeta William Blake:
“Ver um mundo num Grão de Areia E um Céu numa Flor Silvestre,
Ter o Infinito na palma de sua mão
E a Eternidade numa hora.”
Acho que isto encerra toda uma imensa Saudade.


Que saudade do tempo em que não via problemas com o mundo, passavam-se anos infantis sem imaginar que nossa “casa” vagava pelo espaço ...

Saudade das datas festivas em que recebíamos presentes - a nós parecia, que elas tinham suas casinhas e que saiam nos dias certos só para nos alegrar...

Saudade do apito do trem “Maria Fumaça”, do canto dos galos ao longe...
Dos sinos distantes das capelinhas às tardes quentes e modorrentas, o apito do guarda noturno...
O “chorar” das rodas dos carros-de-boi... Tantos pequenos detalhes que se avolumam na alma...

Saudade das movimentações em turma, e que eram apenas um agrupamento de amigos inseparáveis, e quase que literalmente a dor de um, era sentida por todos...

Saudades de poder andar livres, sem medo, sem agressões... Sem ler, ouvir e compreender as palavras que hoje, só ao pronunciá-las as pessoas ficam deprimidas, porque já as sofreram...

Saudades de sentir a felicidade de vermo-nos rindo de tudo, das coisas mais simplórias, e juntos caminhávamos sem pensar que existisse tempo ou o que era o tempo, e um futuro de complexidades...

Saudade de coisas, cores e cheiros... Rostos das adolescentes, que coravam - só por demorarmos um pouco mais a olhar seus olhos e dizermos que eram bonitas.

Saudade dos rastros de luz que pessoas deixaram sobre nós ao passarem por nossas vidas...

Saudade da “Saudade”, não do Saudosismo que é o profissionalismo da saudade.... 

A Saudade tem um perfume e um sotaque próprio, que o tempo recolhe e traduz... Tem amor; da voz o tom, a cor do batom, dos lábios o sabor, de nossa primeira e longínqua namorada. Saudade...

Por onde ela e tudo o mais andará...? Saudades.

Mauro Martins Santos
Enviado por Mauro Martins Santos em 09/08/2017

Música: Orquestra-no-baile-longe-b-mp3_311213002626 - Desconhecido

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários